domingo, 9 de janeiro de 2011

Les Arcs – C’est superrrrrrrr!

Qualquer viagem para mim aqui é legal, a comeҫar pela própria paisagem na estrada, divina e diferente. E dessa vez, rumo a Les Arcs cruzamos a Suíça e a Áustria, antes de entrar na França. Montanhas nevadas por toda parte, lagos com águas super azuis. Paisagem de tirar o fôlego.


Já nas montanhas, o contraste da neve branca com o colorido das roupas das pessoas nas também é muito legal! É um visual completamente diferente para nós brasileiros.

Além disso, o pessoal que aluga o chalé com a gente é demais! São amigos queridíssimos: Susele e Stefale (nossos padrinhos de casamento), Jörgele e, esse ano, o super snowboarder Denis – um amor de pessoa. Todos, incluindo o Mirko, são excelentes esquiadores, menos eu. O pessoal já vale pela viagem!



No entanto, nem tudo são flores e preciso confessar uma coisa definitiva: não é legal aprender a esquiar depois dos 30 anos. Ou você aprende quando tem 4/5 anos, ou então já pode saber que vai ser uma miséria. E quem disser o contrário, que é fácil, tranqüilo, molezinha, tá mentindo deslavadamente. Vejam bem, não estou desencorajando ninguém, dizendo que não é para tentar. É apenas uma constatação da realidade. É difícil pacas, o equipamento é pesado e carregá-lo andando com as botas de esqui é um estorvo, mas temos que tentar (quem tiver saco e oportunidade) mesmo assim.

A minha primeira temporada de verdade na tentativa de esquiar foi ano passado em Saint Luc - Suíça e, cara, foi totalmente humilhante. Cheguei achando que sequer ia precisar de aulas, porque sabia patinar no gelo... kakakaka ledo engano. Uma coisa não tem nada a ver com a outra! Acabei com mais manchas roxas nas pernas, canelas e braços do que se estivesse participado de uma partida de rugby.

Prá encurtar, estava muito amarradona com essa viagem, mas, sinceramente, meio sem saco de ter que passar esse perrengue descomunal na neve de novo. Resolvi tentar mesmo assim, porque quando o assunto é esporte eu sou muito ruim comigo mesma. Tenho que fazer e ponto. Então, mãos à obra.

O Mirko me inscreveu numa aula coletiva por quatro dias. Só que ele me colocou no nível 2, olha que delícia! Eu me pelando de medo de começar de novo e ele me coloca no nível 2!! Todos os alunos eram ingleses e eu a única brasileira. O professor era escocês e falava um inglês quase impossível para mim, com um sotaque absurdamente difícil de entender. Na primeira aula, todos se apresentaram e já foi aquele frenesi básico quando eu disse que era brasileira.

Dia 1 - A primeira volta foi para saber quem estava mesmo apto a frequentar o nível 2 e quem estava mentindo. Olha só que sinistro!!! Muita pressão e brios à flor da pele para mostrar que você não mentiu ao dizer que sabia fazer o básico (e, no meu caso, a ideia de dizer que eu era do nível 2 foi do Mirko!). Dois alunos foram rebaixados de cara para o nível 1 e ficaram revoltados. Fiquei satisfeita em ver que estava acompanhando o grupo numa boa. Ufa! No final do primeiro dia, depois de 3 horas e meia de esqui, o saldo foi positivo. Me senti bem, mas meio insegura porque um cara super gente boa da turma quebrou o pé bem atrás de mim. Todo mundo ficou meio baixo astral. Depois disso nem quis mais esquiar de tarde.

Dia 2 – Amanheceu lin-do! Sol e neve U-lá-lá! Nesse dia uma senhora italiana igual à Tina Turner se juntou à turma. Apesar da idade (mais de 50) ela mandava bem, só que era uma pentelha, porque ao invés de esquiar, só queria tirar fotos do Mont Blanc com o professor o dia inteiro. Ela quase foi banida pelo resto do grupo, mas acabamos conseguindo manter a paciência. Esse dia foi legal prá mim e comecei a sentir prazer naquilo ali durante a maior parte do tempo. Já não estava mais preocupada em ficar em pé, agora o lance era pegar velocidade e fazer curvas. Delícia!  De noite voltamos para o chalé e a Susanne, que, diga-se de passagem, cozinha muito, preparou um fondue para a galera. Depois foi jogar conversa fora na frente da lareira e esperar o sono chegar junto com a dor inevitável no corpo depois de um dia de trabalho pesado na neve.    








Dia 3 – O melhor de todos os dias. Sol de novo, só que -15° no alto da montanha... durante a maior parte do dia fiquei sem sentir os meus dedos do pé esquerdo. Nem dava prá mexer, era como se eles não existissem. A vovó italiana pediu para descer no meio da aula, porque estava passando mal de frio e o professor disse que não ia parar a aula para levar ela lá em baixo (era só o que faltava...). Foi um saco ter que aturar a nona com cara de choro, mas tudo bem, fingi que ela nem tava ali. O bom foi que eu percebi que tinha pego o jeito do negócio e na parte da tarde fiquei com o Mirko praticando mais um pouco. Deu prá curtir bastante!   



Dia 4 – A temperatura subiu muito de madrugada e até choveu, o que fez a neve derreter bastante. Ficou tudo no gelo e difícil de esquiar. Como eu já estava com dor no meu corpo todo (resultado de 5 quilos a mais e 8 meses sem malhar de verdade) eu decidi que ia me permitir não ir par a montanha. Só pensava na minha mãe me dizendo dias antes para não ir além dos meus limites (como ela me conhece...). Então, dei ouvidos à mamy e, como eu mesma não tava a fim de perrengue, fiquei curtindo a estação de esqui e foi ótimo também.




Os outros resolveram subir e voltaram revoltados com as condições da neve, disseram que viram muitos acidentes e até um resgate com helicóptero... no final foi mesmo bom eu não ter ido.

A viagem de volta foi tranquila e estava um dia lindo... Valeu a pena cada dia, cada minuto, especialmente porque acho que agora eu perdi mesmo o medo de esquiar.

E que venha a próxima viagem!

6 comentários:

Ana disse...

ÊBA!!!! Agora que vi seu blog! Ficou show! Agora, na boa... vc é muito fraquinha pra esqui.... hahahahah! Nem vem com essa de que aprender depois dos 30 não dá! Dá sim! Confesso que é bem mais difícil, mas dá sim! Aliás, vc não fez o que eu falei e nao pegou aula particular! É outra coisa... vc aprende em 2 horas fácil!!! Enfim... no geral foi ótimo, certo? Saudades de vc!!!!

Ana disse...

E só pra te fazer uma inveja (já que eu fiquei com a minha parcela de vontade de esquiar), ontem fiz uma praia ma-ra-vi-lho-sa no Leme! Tava uma mar deliciosa, sem uma nuvem no céu... mate leão e biscoito Globo! Tudo de bom (tirando que eu fiquei meio rosa-ardida)! Beijos 1.000

Lilian Rapp disse...

Cara, Rai, surpreendente a notícia de vc na praia e ainda por cima no Rio! Sensacional! Aproveita muito o verão por mim aí!
Agora, eu não disse que não dava prá aprender, só que é MUITO MAIS DIFÍCIL. E, na boa, eu dava tudo para ver o que vc faz com duas horas de aula, ainda que particular, de ski... kakakakakak... ou eu devo mesmo ser muito exigente comigo. Bjsssssssssssss

Ana disse...

Acho que não foram SÓ as 2 horas de aula... foi o lance do medo também. Eu perdi o medo e fiquei mais segura. Pode perceber que o pior é o medo que não nos deixa pensar e fazer o que aprendemos. O instrutor me mostrou que de determinado modo, eu não ia descer montanha abaixo, então eu ficava mais tranquila e conseguia fazer as manobras (sabendo que bastava inclinar meus esquis um pouco para cima/lateral que eu estaria segura). Com isso, no terceiro dia eu já tava descendo nas vermelhas!

Josye disse...

Adorei o post! Lindas fotos!
Bjos!!!!

Brunno Vivas disse...

Esse lugar está te fazendo muito bem... Vc está linda!!! Cuida bem dela ai irmão alemão... Bjos nos dois...

Postar um comentário

Total de visualizações de página