terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Balanço de dois meses na Alemanha

Hoje, exatamente hoje, dia 8 de fevereiro, faço dois meses de vida aqui na Alemanha. Vida nova, tudo novo, voltar para a escola, ser dona de casa, aprender uma nova língua, novos amigos, novas descobertas, neve, frio, muitos dias alegres, outros nem tanto e alguns tristes. Saudades da praia, da minha Itacoatiara e da praia de Camboinhas, onde morei no último ano, do sol quente batendo no rosto, da brisa do mar, do cheiro da terra molhada depois de um temporal de verão e do cheiro de maresia, do feijão cremoso de Elisabete e Neusa... coisas do Brasil, do Rio de Janeiro e de Niterói, que espero, sinceramente,  nunca saiam de mim.

Tirando essa saudade absurda que já me dá de quase tudo (preciso registrar que não tenho a me-nor saudade do calor senegalês, de tomar banho para trabalhar e estar suando 4 minutos depois, dos engarrafamentos de Niterói, das filas e da violência do Rio de Janeiro), estou MUITO FELIZ aqui (viu, mãe?) e, especialmente agradecida por ter a oportunidade de descobrir o velho continente e esse país tão espetacular, que está conquistando o meu coração.  São sensações completamente diferentes, outros cheiros, outro tempero, outra comida, gente diferente demais, educação demais, organização à toda prova, banho de cultura diário, enfim, vou ter que listar... : )

-  É muito legal perceber que os dias estão ficando mais longos de novo, gradativamente. O inverno está indo embora. Sempre me disseram que o legal de morar na Europa é sentir as estações do ano mudarem a paisagem, o seu corpo e o seu estado de espírito e é a pura verdade! Antes, eu acordava para ir para o curso no meio da noite fechada. Agora, enquanto caminho para o ponto, o sol já está nascendo. O visual é tudo de bom e me dá vontade de começar logo o dia, diferente do início do inverno, quando eu só pensava em voltar prá cama e me cobrir. A sensação de recolhimento está acabando, os dias têm ficado mais quentes e com sol.  Sentir a mudança é sensacional!

- O cheiro da terra molhada aqui, depois da chuva (claro que não é a delícia do nosso temporal de verão, com aquela chuva torrencial) é super especial. Se é possível tentar explicar um cheio, vou dizer que é como cheiro de floresta fechada, fresco e frio. Vontade de colocar num vidro e abrir em casa para purificar o ar.

- Doner kebap, curry wurst e Bretzel têm sido os responsáveis pelo meu aumento de peso. Chocolate Milka sabor iogurte de morango também. Sem falar das cervejas... ai G-sus! Fitness Center já! 

- não existe cobrador no ônibus e todo mundo compra passagem mesmo assim. Raramente o fiscal entra para fiscalizar, mas ninguém dá calote. Tá todo mundo sempre com a passagem ou o passe de ônibus de estudante, como eu. Mentalidade perfeita!

- O curso vai indo bem e cheguei hoje na lição dos alimentos. Já sei ver as horas, me apresentar, dizer coisas simples, comprar coisas simples, marcar um compromisso e já fiz até prova surpresa. A turma se dividiu em grupos. Os japoneses ficam juntos, são ótimos, super inteligentes, totalmente modernos, mas não conseguem quase falar as palavras com “R”, que trocam, por “L” e isso aqui na Alemanha é uma heresia, já que você precisa desse “R” gutural para quase tudo. A koreana desistiu, provavelmente porque não conseguia acompanhar a turma. Os russos/ucranianos ficam juntos e, óbvio, só falam russo. A turca e a menina da Macedônia ficam juntas, mas não se entendem. Tem também o grupo das teenagers e o meu grupo: Eu, Karen (americana de San Diego – gente boa até não poder mais e professora de Ioga), Kurt (Cobain, para os íntimos : ) – nascido na Tanzânia, engenheiro, gente boa demais e mora com a noiva alemã. E, finalmente, ele, o mais figura de todos, Antonio, italiano de Votera – a cidade da saga Crepúsculo e dono de restaurante na Toscana. Mais engraçado impossível. Conheço a menos de um mês e ele já me contou da vida dele toda (os latinos são assim mesmo, né? Adoro isso na gente!) especialmente das brigas com a namorada alemã durante a madrugada.. kakakaka mas o melhor de tudo é ouvir o seu alemão ou inglês cantado com sotaque de italiano.  Pena que ele só fica esse mês, porque é responsável por muitas gargalhadas da turma toda.  
Tá bem legal o curso!

- A organização aqui é tanta que em alguns momentos chega a ser chata, pela falta de flexibilidade em abrir exceções em situações perfeitamente possíveis. Por exemplo, semana passada estava num bar mexicano, como contei no outro post e o lugar que ficamos era para fumantes, mas só depois das nove horas. Às cinco prás nove todas as mesas já estavam se coçando para fumar e o Mirko, (já devidamente tropicalizado, diga-se) chamou o garçon para ele nos trazer o cinzeiro. O moço disse que não dava, porque ainda faltavam 5 minutos...  #peloamordeDEUS#. Todo mundo riu (não pela resposta dele, porque foi a resposta de um cara que cumpre as regras, normal aqui, mas para quebrar o gelo mesmo). O riso deu resultado e ele disse que quando faltassem 3 minutos ia “quebrar o galho” e trazer o cinzeiro, mas ratificou que cumpria ordens. Três para nove aparece o garçon com o cinzeiro e com uma cara de criminoso, que me deu até pena. Ou seja, ele liberou, mas estava se sentindo muito mal e assim não é legal...

- Tenho uma amiga no ponto de ônibus. Uma fofa! Uma senhora alemã de meia idade que puxou assunto comigo no dia seguinte em que encontrei com os brasileiros no ponto, ou seja, no meu segundo dia de aula. Ela se chegou, perguntou se eu era brasileira, que língua falava e porque estava aqui em Tübingen. Antes que eu conseguisse explicar que ainda não posso me comunicar direito ela desandou a falar alemão comigo (claro...). Depois que ela percebeu que eu falava pouco e entedia quase nada, disse que não tinha problema nenhum (olha só que gente boa, eu sou muito sortuda!)  e que falaria só alemão comigo, prá eu já ir soltando a língua. Também falou para eu brigar com o Mirko, porque ele não fala alemão comigo em casa. Disse, ainda, que todo dia de manhã ia me perguntar o que aprendi na aula passada. E ela cumpre a promessa! Todo dia, às 7:50 h, eu tenho uma sabatina no ponto de ônibus. Minha aula começa antes do que a de todo mundo no curso!

- Descobri muitas estações de radio aqui que tocam músicas dos anos 80 e clássicos do rock/pop rock o tempo todo. Eles amam o Chris Rea e tocam suas músicas toda hora. Eu adoro, porque me lembro da minha irmã prá caramba. Todas essas rádios tem o perfil da nossa falecida Antena 1 do Rio de Janeiro. Como eu sou viúva declarada da Antena 1, fiquei amarradona com a descoberta. Hoje de tarde na SWR1 teve especial do Fleetwood Mac, não é o máximo?

-  As palavras em alemão que mais gosto de falar são: kartoffel (significa batata e sempre foi uma favorita, desde os meus tempos de ICG) e ein bisschen (um pouquinho),  com a variação do dialeto swabo da região – ein bisschle (que significa um pouquinho, inho mesmo!).  

- Adoro ver a educação das pessoas nas ruas, em todos os sentidos. Tudo bem, tudo bem, a cidade é pequena e isso fica mais evidente, mas mesmo assim!

- os afazeres domésticos são muito chatos, mas estou me surpreendendo positivamente com a minha capacidade em executá-los. Tudo vai bem, mas ainda é impossível para mim passar camisas sociais. Aliás, o que é passar roupa? (bügeleisen em alemão – essa eu sei!) De todos os afazeres domésticos é o pior. Demoro 40 minutos para passar uma camisa do Mirko... amanhã é dia, manhêê!

- De uma maneira geral acho que a minha adaptação está indo melhor do que eu mesma imaginava. Me sinto em casa aqui. Acho que é porque eu vim prá cá de peito aberto e querendo me misturar com a vida daqui. Penso que isso é fundamental quando se vai morar fora do seu país. Também é aconselhável não comparar tudo com o Brasil e entrar numas de pensar o que as pessoas estão fazendo agora na sua cidade natal, no seu ex trabalho, etc... nos dias em que fiz isso sem sentir, me bateu uma melancolia, que tratei de afastar imediatamente, para não virar uma bola de neve.  Me disseram que ainda vou ter que passar pela tal crise dos 5 meses morando fora, mas não tenho medo não, que venham os cinco meses e sem a crise, por favor!

- Escrever esse blog me ajuda muito a me sentir mais perto do Brasil, da família e de vocês, meus amigos queridos, que estão me incentivando a continuar. Isso aqui prá mim virou uma cachaça e estou feliz em ver que já tenho quase mil acessos em pouco mais de um mês. Já recebi e-mail de pessoas que estão vindo morar aqui e acompanham o blog. Muito legal!

Muito obrigada a todos vocês que me acompanham aqui! 

Beijos a todos e vamos em frente! Estou apenas começando!

10 comentários:

Anônimo disse...

LILIAN, AMEI SEU TEXTO!!!! SAUDADES!!!! BEIJOS MARIANA

Josye disse...

Que bom que vc está feliz, querida! Sempre soube disso!
Bjos,

Rosane disse...

Lila, adoro ler seu blog, inclusive, porque seu texto é muito bom mesmo (palavra de espacialista rs...rs...)
Beijos,
Dindan

Norma disse...

querida,
adorei o seu envolvimento com sua nova vida!!! realmente, você adotou o clima exato: "tamus na alemanha, curtamos integralmente isso!" acredito que quando fazemos assim, tudo se torna mais colorido e o dia mais enevoado passa ser também especial, porque, como os outros, ele também passará e tolo é aquele que não conseguiu captar essa máxima! existe um ditado que diz: "onde você estiver, aí estará o seu coração!" ou seja, é ali que devemos estar inteiros!!! desejo sinceramente, que essa sua experiência a enriqueça e a torne verdadeiramente uma pessoa muito rica em essência!!! bjs minha loura

AC disse...

Lila, que lindo!! Que delícia acompanhar sua nova vida! Estarei sempre dando uma espiadinha.... Beijo grande, Kika

Lilian Rapp disse...

Norminha, suas palavras sempre me emocionam! Vc é muito especial! Obrigada pelo carinho de sempre! Vmaos juntas! Te adoro!

E kika, vem me visitar com maurício!!! Nossa viagem para Tirandentes não saiu, mas outras virão! MUITOS BEIJOS!!

Penélope Martins disse...

Lilly, olhos de pura expressão: ambas virginianas com ascendente em aquário - uau! haja caixa para botões, gavetinhas arrumadas, geladeira clean e tudo que faz a velha obsessão parecer um lazer. Mas aquário insiste em voar e ser absurdo muitas vezes, por isso escrevemos em nossos blogs! Obrigada pela visita lá no Cartas de Amor! Besos,

Marcos disse...

Lila, te amo, seu irmão Marcos ! Tenho muito orgulho de você..um beijo estamos juntos.

Ludmila Diniz disse...

Estava em mais um dia de trabalho, procurando blogs relacionados a turismo (agora trabalho no Marketing do Mundi, buscador de Turismo) quando me deparei com o Brazilian Esquimó e quando fui ver quem escreve aqui... surpresa: Dra. Lilian!!
Adorei seu blog e saber que está super feliz na querida Alemanha!
Sempre que puder passarei aqui para saber das novidades!!

Beijos e saudades

Ludmila (ex- MMA)

Pratamada Brasil disse...

Lila, é muito bom ver o quanto você está feliz aí! Estamos todos na torcida e sempre com você no coração!
Amo o seu blog... dou muita risada com esse seu jeitinho de contar as coisas engraçadas. Parece que estou te vendo contando isso ao vivo!
Arrasa aí no velho mundo, pequena!
Beijão da cunhada que te ama,
Pitty

Postar um comentário

Total de visualizações de página