quinta-feira, 7 de abril de 2011

Regras de urbanidade para se viver na Alemanha – Lição 1 – Atravessando a rua.






Quando cheguei aqui na Alemanha tive um certo problema com o quesito atravessar a rua. Pode parecer meio ridículo, porque no Brasil, especialmente no Rio de Janeiro, não tem regra, é um carnaval e cada um faz o que quer. Aqui não, pedestre é visto tal como condutor de carro, moto e bicicleta e, da mesma forma, tem regras específicas para seguir.

Pode ser que aqui em Tübingen, por ser cidade pequena e totalmente verde-hippie, como já tive a oportunidade de falar, as pessoas levem isso mais a sério. Fato é que eu tive que me aprumar e agora, passados quatro meses, já estou doutrinada e procuro não cometer os equívocos espertalhões de sempre, que já me fizeram ser repreendida verbalmente e encarada por muitas pessoas (especialmente velhinhas), como se eu fosse uma criminosa em último grau. Não precisamos disso, certo? Somos estrangeiros e temos que cumprir as regras deles. Não importa se no seu país ninguém cumpre ou nem regra existe. Aqui o lance é beeeeeem diferente. A regra existe e ela foi feita para ser cumprida e não para decorar o papel.

 Então, são três regrinhas básicas para não passar vexame na rua, ser repreendida e ficar com cara de sem graça:

1)      Nunca, em tempo algum, atravesse a rua com o sinal vermelho para você, pedestre. Aqui na Alemanha é mais fácil cumprir essa regra porque há um sinal indicador para pedestres e ciclistas e outro para os carros. Quando o sinal para os carros fica vermelho, o sinal dos pedestres fica verde. Somente depois disso você pode atravessar. Algumas vezes me guiei pelo sinal dos carros e atravessei quando o sinal ainda  estava vermelho para os pedestres (às vezes demora uns 3 segundos para mudar) e me olharam de cara feia...

2)      O sinal estar verde não significa que você pode sair desembestado por entre os carros para chegar do outro lado da rua.... A-HÁÁÁÁÁÁ! A faixa de pedestres existe sim! Ela não é uma projeção astral no meio da rua e é nela que você tem que atravessar! SEMPRE!

3)       Essa é a mais difícil para os apressadinhos e ansiosos como eu... Mesmo que a rua esteja completamente sem carros  e, ainda, não exista um mínimo sinal de carro se aproximando, se o sinal estiver vermelho para os pedestres não atravesse. Isso é demais da conta, né? Mas aqui ninguém atravessa. A regra é clara como diria o Arnaldo Cesar Coelho!!!! Se o sinal estiver vermelho para os pedestres, COM OU SEM CARRO NA RUA, NÃO É PRÁ ATRAVESSAR!

Quem me conhece direito sabe que cumprir isso tudo aí foi um suplício. Mas está dando super certo agora.

Por exemplo, atravessar na faixa é tudo de bom no papel, mas atrasada e correndo, como eu estava quase sempre no início, era um sa-co! (não vou fingir que sou mega civilizada em relação a isso, porque todos nós brasileiros sabemos que no Brasil ninguém cumpre regra alguma, especialmente em se tratando de atravessar a rua. É doído dizer isso, mas é verdade.)

Verdade é que com a minha mentalidade ítalo-brasileira pensei, que quando você já está correndo pela lateral da rua e vê que o sinal está vermelho para os pedestres, não faria mal algum cortar pelo meio da rua, ao invés de ir até a faixa de pedestres... Nã nã não!

O negócio é que a mentalidade aqui é a seguinte: se você está atrasada, o problema é todo seu. Você que saísse de casa mais cedo. O que não pode é, por causa do seu atraso, colocar a vida dos outros em risco ou atrapalhar o trânsito. Faz total sentido! Mais uma vez, regra é regra. Ok, ok...  Obrigada Alemanha por me ensinar a ser mais civilizada. Relógio adiantado cinco minutos para nunca mais atrasar e correr pela rua feito louca.

Essa de não ter carro nenhum na rua e não poder atravessar também sempre me pareceu demais. Até o dia em que eu fiz isso e um cara me chamou a atenção apontando para o sinal, que estava vermelho para mim. Eu me senti tãããããooooo mal e envergonhada que não faço nunca mais. Reprimendas morais para mim sempre surtiram um efeito absurdo.

Agora quem vier me visitar vai até se surpreender com a minha conduta ilibada no trânsito. Marquinhos, meu brother, pode vir que você vai ver, eu juro que tô fazendo tudo direitinho e nem mais bato a porta de casa quando saio correndo atrasada, porque não me atraso mais!


Em breve, mais capítulos da série “Regras de urbanidade para se viver na Alemanha”!

1 comentários:

Jefhcardoso disse...

Lílian, eu compreendi tudo O contexto O ocorrido Mas, veja bem, para nós brasileiros isso é tão complicado [sorrio] Somos a outra extremidade dessa urbanidade Não?

Convido para que leia e comente meu Armelau no http://jefhcardoso.blogspot.com/

“Que a escrita me sirva como arma contra o silêncio em vida, pois terei a morte inteira para silenciar um dia” (Jefhcardoso)

Postar um comentário

Total de visualizações de página